O pedreiro e o tempo

Há alguns dias, ia eu caminhando rumo ao restaurante onde costumo almoçar, no intervalo do trabalho, quando dois homens trajados com bastante simplicidade, tipicamente como pedreiros – um mais velho, aparentando 40 anos, e um garoto que não tinha mais do que 20 – iam subindo a rua do meu local de trabalho.

Quando passaram por mim, o mais velho ia dizendo ao mais novo, em compasso apressado: “Hoje, meu fi, se o sujeito cochilar, ele não faz nada na vida.”

Aquela frase retumbou significativamente em minha cabeça e me pôs a pensar, e repensar, como de costume, no uso do tempo – meu, do outro, de todos -, e vi que, à medida que o tempo vai passando, mais sonhos vamos acumulando, mais “Se’s” são usados em nossas frases e mais frustrados corremos o risco de ficar com o mau uso (ou desuso) de nosso potencial único e de nossa genuinidade, aquilo a que fomos destinados a fazer com nossa identidade cósmica. E quanto mais o tempo passa, mais vejo pessoas perdendo tempo, ainda que muitas vezes cobertas de boas vontades e desejos, que, por sua vez, caminham de olhos vendados sobre a prancha, rumo à boca do tubarão do esquecimento, da não-realização, da procrastinação, do desalento. 

Os tempos modernos estão cada vezes mais vorazes e insaciáveis. As mídias e seus produtores querem e precisam, a todo custo, que nós estejamos distraídos com miudezas e quimeras incontáveis, a fim de que nós gastemos com eles o que temos de mais precioso – o tempo. E este passa, as oportunidades passam, a vida passa… o difícil mesmo é fazer com que as frustrações da não-realização de si mesmo passem. Estas andam pelo corredor, marginalmente, esperando uma brecha entre o fluxo descomunal de assuntos de menos importância, para surgirem em nossa main stream real e nos alertarem.

Ainda bem que, vez em quando, passa alguém na rua, gente que nunca vimos, que não sabemos de onde vêm e para onde vão, nos alertando para questões que, se deixarmos, o tempo leva e não mais temos como reaver. E é na mesma simplicidade e no mesmo compasso do pedreiro e do tempo que termino este texto.

Sobre João Viégas

Consultor e professor de Pós-graduação e MBA em Marketing e Comunicação, autor e editor do livro 'tempo.com - A comunicação esquecida em tempos de Internet', articulista da revista Moda Brasil Magazine, palestrante em comunicação e professor de Língua Inglesa.
Esse post foi publicado em Comportamento, Cozinha do autor., Midia, Sociedade e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s