10 lições sobre a Desolação de Smaug

Quando criei este blog há algum tempo, sempre pretendi trazer questões de comunicação, marketing, comportamento social, filosofia, religião e cultura que estivessem, de alguma forma, veladas no contexto em que foram trazidas, sendo muitas vezes esquecidas ou pouco apreciadas pela maioria das pessoas. Esta, inclusive, é a linha-mestra do meu livro tempo.com – a comunicação esquecida em tempos de Internet.

Pois bem, hoje assisti ao filme O Hobbit – A Desolação de Smaug, 5º filme lançado pela franquia O Senhor dos Anéis, mas que, cronologicamente, é o segundo no enredo, e posso dizer, seguramente, que o considero uma ferramenta fantástica para análise do comportamento humano. Essa incrível fábula de J.R.R.Tolkien, dirigida pelo não menos incrível Peter Jackson, é tão interessante e rica que podemos extrair pelo menos 10 lições bem concretas da história. Aqui vão elas:

Lição 1 – A maioria das pessoas tende a desistir exatamente quando estão mais próximas de alcançarem o objetivo que almejam.

Lição 2 – Problemas grandes podem ser resolvidos por pequenos detalhes, ou por pessoas consideradas inaptas ou incapacitadas.

Lição 3 – Se deseja ser um bom líder, comece por chamar seus comandados pelo nome, saber quem eles são e de onde são.

Lição 4 – Não coloque seus comandados na fogueira, abstendo-se do risco inerente às grandes decisões. Encare o papel de líder e puxe a fila através da própria ação.

Lição 5 – Quando uma equipe perde a direção ou o foco, é preciso que alguém se afaste do caos para que se tenha noção de onde o grupo está e alimentar novas perspectivas.

Lição 6 – Se vai terminar uma relação ou desligar algum membro de uma equipe, temporária ou definitivamente, que seja com compaixão, cuidado e gratidão, valorizando o que ele realizou enquanto esteve na equipe.

Lição 7 – É essencial ter coragem para desafiar as regras que julga irem contra as suas convicções, sabendo do risco de ser fiel a si mesmo e responsabilizando-se pelas consequências dessa atitude.

Lição 8 – O medo faz parte de qualquer indivíduo, grupo, relação ou negócio. É da natureza humana, mas tem que ser enfrentado em algum momento, ou ele irá consumi-lo.

Lição 9 – Se lhe contaram uma história mas você não viu ou não esteve lá, você não tem a verdade dos fatos. É melhor não transformá-la num conto ou lenda. Isso pode minar a percepção e a confiança dos outros.

Lição 10 – Em algum momento, a luz ou intuição que norteia você vai parecer ter sumido indefinidamente, mas ela sempre volta.

Há muitas outras lições no filme, basta prestar atenção. Tanto a análise do filme, quanto o livro citado são um convite à percepção daquilo que está velado, que não está claro ou não elucidado, daquilo que passa batido pelos olhos de quem está em descompasso com o próprio tempo. Portanto, você já tem um bom motivo para assistir ao filme, ler o livro tempo.com e também ler o tópico O Buraco do Hobbit. Boa diversão!

Sobre João Viégas

Consultor e professor de Pós-graduação e MBA em Marketing e Comunicação, autor e editor do livro 'tempo.com - A comunicação esquecida em tempos de Internet', articulista da revista Moda Brasil Magazine, palestrante em comunicação e professor de Língua Inglesa.
Esse post foi publicado em Cinema, Comportamento, Entretenimento, Mercado, Midia, Sociedade e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s